6 de fevereiro de 2014

Passarinha, de Kathryn Erskine.

Não sei como essa resenha vai ser publicada, nem muito menos, se tenho palavras para expressar o quanto esse livro foi inesquecível, mágico, e tocante para mim. Eu comprei o livro com altas expectativas, depois que a Ly do Brincando com Livros leu, e falou muito bem dele. E superou tudo que pressentia, é um livro que te deixa sem ação, e com uma visão sincera, pura do mundo em que vivemos por Caitlin e sua síndrome de Asperger.



A autora Kathryn Erskine consegue nos conectar com a vida de Caitlin de uma forma incrível. A obra, narrada em primeira pessoa, é tocante, sincera e reflexiva, e nos leva para 
a vida, e os pensamentos de uma garotinha de 10 anos, que nem todos a compreendem.

“Eu gosto das coisas em preto em branco. Preto e branco é mais fácil de entender. Cor demais confunde a cabeça da gente.”

Para nossa protagonista, tudo é preto e branco. Com ideias próprias e uma vida com pensamentos não entendidos pelas pessoas com quem convive, ela aventura a fazer com que, todos consigam Captar O Sentido das coisas.

Desde O Dia Em Que A Vida Desmoronou (nome dado por Caitlin, no dia que seu irmão foi morto em um tiroteio na escola), ela tenta Lidar Com Isso, ao lado do pai, que até os dias atuais, não suporta a perda. Isto faz com que ela lide com tudo, sozinha, inerte em seus pensamentos, emoções, e dor. O irmão era como um sol, que a iluminava todos os dias, ajudando com o relacionamento com as pessoas, sempre dizendo o que fazer a hora de parar, começar e  tudo mais.

   "Não quero Devon por perto de um jeito diferente. Quero Devon por perto do mesmo jeito. Do jeito que era antes. Quando ele faz pipoca e chocolate quente pra mim. E me diz o que falar e que roupas vestir e como não parecer esquisita para as outras crianças. (…) Esse é o Devon que eu quero. Não o que fica flutuando no ar".

Por isso que ela resolve fazer alguma coisa, tentar virar a página, e seguir em frente. Como é perceptível, pessoas com síndrome da Asperger e Autismo não se relacionam bem, tem dificuldade de se aproximar de pessoas. Com Caitlin não é diferente. No livro, junto com a professora/orientadora Sra. Brooks ela tenta praticar a empatia, a se relacionar. O que vai tornando a narrativa um desafio, e uma linda estória.


Sincera. É uma palavra que descreve a personalidade dela. Foi tão gratificante para o leitor ver como as pessoas podem interpretar de diversas maneiras a mesma coisa. Ela com seu jeitinho transpôs todas suas emoções a longo de pouco mais de 200 páginas. Ela é direta, objetiva, teimosa, uma pessoa que entendia tudo ao pé da letra, demonstra uma bravura imensa. Por isso, que nem todos a entediam. Não captavam o Sentido. 

 "Procuro a palavra desFEcho no Dicionário e ele diz: A vivência da conclusão emocional de uma situação de vida difícil como a morte de um ente querido. Não sei como chegar a essa vivência de um conclusão emocional por isso pergunto à Sra. Robbins, 'Como faço para chegar à vivência da conclusão emocional de uma situação de vida difícil?"

É aí que, certo dia, ela ouve a palavra Desfecho, e é então, que ao procurar entender seu significado, ela tem a plena convicção que seu pai, e ela mesma necessitam de um Desfecho. Caitlin quer Trabalhar Nisso e tentar tirar o pai da amargura, desde a morte de Devon.

Sua busca/aventura por um Desfecho é totalmente sensível, tocante e perfeito. Ela se encoraja de um jeito lindo, e você torce, vibra, sorri com cada passo que nossa garotinha dá. 

A simbologia presente no livro é uma coisa arrepiante. Ele é regado de sentimentos, emoções, e você se surpreende. A maneira como tudo é explicado, relatado ao leitor, nos mínimos detalhes. Cada elemento na narrativa, tem um significado, um exemplo é o armário do irmão, que tem um marco magnífico na estória. Caitlin faz com que você sinta TUDO o que ela quer passar. Ela te coloca no seu lugar, e você vai, imerso em lágrimas

Outro ponto forte do livro: Escrita. Erskine usa uma linguagem própria para o livro – narrativa com falta de vírgulas -  descrevendo a personalidade da protagonista, lidando com a síndrome. É cativante, e o leitor fica impressionado com o envolvimento que você possui com a história. O livro não possui um enredo tão meloso, dramático e de sofrimento, ele se demonstra esperançoso, vívido.


Meu primeiro contato com a Editora Valentina foi com Passarinha, e fiquei impressionado com o cuidado que ela teve com o obra. Tudo feito nos mínimos detalhes, a diagramação, a nota de tradução, a orelha e a capas, foram destaques. É aquele livro lindo - por dentro e por fora - que você TEM que ter na estante. 

Passei dias tentando escrever essa resenha, e não existem palavras para expressar o quanto eu amei esse livro. É sem dúvidas, um dos meus favoritos. Um sick-lit incrível, feito na esperança que todos compreendam uns aos outros. Caitlin espera você para praticar empatia, criar um desfecho, e viver muitas emoções. 



Confira o book trailer: 


video


 Título: Passarinha. 
Autora: Kathryn Erskine
Editora: Valentina
Páginas: 224
Classificação: 5/5


7 comentários:

  1. Nossa, que história triste. já senti uma empatia muito grande.
    Achei a capa muito criativa.

    Minhas Impressões

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é MUITO amor! Foi um dos melhores que li ano passado e, acredito, vai ficar marcado para toda a minha vida. Caitlin me conquistou com sua personalidade única, com sua beleza e pureza.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos,
    Nica
    http://www.draftsdanica.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece ser lindo e cheio de lições de moral e tapas na cara da sociedade!
    Ainda não tive a oportunidade de ler, porém espero fazer isso o quanto antes pois acho que irei amar a história e chorar muito!

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Esse é, possivelmente, o livro mais lindo da Valentina: tanto em história, quanto em diagramação. A capa é a coisa mais fofa.

    Queria que todo mundo lesse o livro ao menos uma vez. É muita fofura ♥

    Beijoca!!!!

    ResponderExcluir
  5. Seu post só me fez querer mais o livro.
    Eu já tenho ele na minha lista de desejados por conta de outra resenha, fora que o tema Asperger e autismo são temas que me interessam bastante. *0*

    ResponderExcluir
  6. Italo :)
    Sou o Di, lá da Sociedade dos Blogs \o\ *VIVA* hahaha

    Cara, primeiramente, seu blog é incrível, parabéns!
    E essa história? Eu vi outras resenhas e meio que dá vontade de pegar essa menina da capa no colo e dizer que vai ficar tudo bem.. achei super emocionante, todos os graus do autismo são tão intensos, e pelo visto essa narrativa trouxe de uma forma bela o assunto, gostei! Essa editora tá no meu coração e top 5 <3 haha
    E cara, essa quote “Eu gosto das coisas em preto em branco. Preto e branco é mais fácil de entender. Cor demais confunde a cabeça da gente.” morri lendo,okay? hahaha

    Abraços, Di :)
    http://aculpaedovisconde.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho grandes expectativas quanto a esse livro, também, porque já ouvi falar muito bem dele. E a sua resenha positiva ajuda com isso hahahaha
    O tema é muito delicado, ainda mais se tratando de uma garotinha, não?
    E, realmente, o livro é lindo por fora - e parece ser por dentro também. Amei a capa.

    E amei tudo o que disse sobre o livro. Me deixou ainda com mais vontade de lê-lo haha
    Beijos
    Mell Ferrraz - Literature-se

    ResponderExcluir

Então, vamos conversar?

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | MODIFICAÇÕES POR ITALO HENRIQUE E CÁSSIA VICENTIN | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo